Leone Serviços

Leone Serviços
Portaria Limpeza Zeladoria Motorista

Escreva abaixo para pesquisar assuntos tratados neste Site

Carregando...

Google+ Followers

Leia mais Noticias deste Site

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Missionário Gouleyamane Bah supeito de contágio do virus Ebola no Brasil





Primeira suspeita do vírus Ebola no Brasil    


 Missionário Gouleyamane Bah com suas filiações Pai Owy Bah e mãe Kadiaton Diallo apresentou os sintomas do vírus ebola, mas foi descatado a contaminação.  


Autoridades sanitárias brasileiras investigam o primeiro caso suspeito de ebola no País. O caso foi registrado na cidade de Cascavel, no Paraná, e comunicado agora à noite pela Secretaria de Saúde do estado ao Ministério da Saúde. Informações preliminares indicam que o paciente, um homem de 47 anos, esteve em Conacre, capital da Guiné, um dos três países africanos que mais registraram casos de mortes pela doença.

O paciente chegou ao Brasil há nove dias, e teve febre nessa quarta e quinta-feira. Como ele veio de um país com incidência da doença, e apresentou os sintomas dentro do limite máximo para a incubação do vírus, que é de 21 dias, ele agora está isolado em uma Unidade de Pronto Atendimento no município paranaense. "Até o início da noite dessa quinta-feira, ele estava subfebril e não apresentava hemorragia, vômitos ou quaisquer outros sintomas", informou a nota divulgada pelo Ministério da Saúde. 


Apesar das condições do paciente, ele deverá ser transferido de avião na manhã desta sexta-feira para o Instituto Evandro Chagas, no Rio de Janeiro, onde será feita a análise para confirmar se o paciente é ou não portador da doença.
Também na tarde dessa quinta-feira, a Secretaria de Saúde do Paraná descartou uma suspeita de ebola na cidade de Apucarana, no Norte do estado. Apesar da decisão, o paciente, que voltou de Moçambique, na África, continuará sendo observado.

A notícia do caso suspeito ocorre no mesmo dia em que o Secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, afirmar que, embora baixo, existia o risco de o Brasil registrar um caso da doença. Pela manhã, ele disse que o sistema de vigilância montado era adequado e que instituições de saúde estavam em treinamento constante para identificar casos suspeitos e para adotar as medidas de segurança necessárias, caso isso ocorresse.

O mundo vive hoje a pior epidemia de ebola da história. Foram registrados 8.011 casos na Guiné, Libéria e Serra Leoa, com 3.857 mortes, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde. Nigéria, Senegal e Estados Unidos e Espanha apresentaram transmissões localizadas. Juntos, foram contabilizados nestes países 21 pacientes com a doença e 8 mortes.

Transmitida por um vírus, a doença é fatal em cerca 65% dos casos. A infecção ocorre através do contato com sangue, fluidos corporais da pessoa infectada ou do animal doente, como macacos, capivaras e porcos-espinhos. Ao contrário de outras doenças, no entanto, a transmissão ocorre quando o paciente já apresenta os sintomas da infecção. Os principais são febre, fraqueza, dores abdominais, vômito e hemorragias. A incubação - período entre o contágio e a manifestação dos primeiros sintomas - pode variar entre 2 a 21 dias. Não há remédio específico para o ebola.

Em agosto, o Centro de Operações de Emergência em Saúde do Governo Federal acionou o nível dois de emergência, o penúltimo na escala de gravidade, que permite o deslocamento de equipes federais para regiões com suspeita da doença no País sem a necessidade de autorização dos governos locais.

Desde que a Organização Mundial de Saúde decretou emergência, o Brasil adotou um conjunto de medidas para prevenir a transmissão e permitir a rápida identificação de um caso suspeito da doença, com isolamento e tratamento.

O grupo Executivo Interministerial para Emergências em Saúde Pública foi convocado, videoconferências semanais com todos os Estados são realizadas, simulações foram feitas em hospitais de referência e em aeroportos. De acordo com o plano traçado, casos suspeitos devem ser encaminhados para hospitais de referência. Esses hospitais, no entanto, fazem apenas a primeira triagem. Casos confirmados, de acordo com a estratégia, devem ser enviados para dois hospitais: Instituto Nacional de Infectologia no Rio e Hospital Emílio Ribas, onde os pacientes ficam internados. O teste de diagnóstico para comprovação da infecção é feito no Instituto Evandro Chagas.



 O missionário de 47 anos chegou em uma ambulância do SAMU vindo da Base Aérea do Galeão  (Foto: Fábio Tito/G1)


Emidio Campos Gerente de Planejamento www.leoneservicos.com.br E mail - comercial@leoneservicos.com.br

Vírus Ebola no Brasil









Foi descartado a primeira suspeita do vírus Ebola no Brasil    

Missionário Gouleyamane Bah

Autoridades sanitárias brasileiras investigam o primeiro caso suspeito de ebola no País. O caso foi registrado na cidade de Cascavel, no Paraná, e comunicado agora à noite pela Secretaria de Saúde do estado ao Ministério da Saúde. Informações preliminares indicam que o paciente, um homem de 47 anos, esteve em Conacre, capital da Guiné, um dos três países africanos que mais registraram casos de mortes pela doença.

O paciente chegou ao Brasil há nove dias, e teve febre nessa quarta e quinta-feira. Como ele veio de um país com incidência da doença, e apresentou os sintomas dentro do limite máximo para a incubação do vírus, que é de 21 dias, ele agora está isolado em uma Unidade de Pronto Atendimento no município paranaense. "Até o início da noite dessa quinta-feira, ele estava subfebril e não apresentava hemorragia, vômitos ou quaisquer outros sintomas", informou a nota divulgada pelo Ministério da Saúde. 


Apesar das condições do paciente, ele deverá ser transferido de avião na manhã desta sexta-feira para o Instituto Evandro Chagas, no Rio de Janeiro, onde será feita a análise para confirmar se o paciente é ou não portador da doença.
Também na tarde dessa quinta-feira, a Secretaria de Saúde do Paraná descartou uma suspeita de ebola na cidade de Apucarana, no Norte do estado. Apesar da decisão, o paciente, que voltou de Moçambique, na África, continuará sendo observado.

A notícia do caso suspeito ocorre no mesmo dia em que o Secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, afirmar que, embora baixo, existia o risco de o Brasil registrar um caso da doença. Pela manhã, ele disse que o sistema de vigilância montado era adequado e que instituições de saúde estavam em treinamento constante para identificar casos suspeitos e para adotar as medidas de segurança necessárias, caso isso ocorresse.

O mundo vive hoje a pior epidemia de ebola da história. Foram registrados 8.011 casos na Guiné, Libéria e Serra Leoa, com 3.857 mortes, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde. Nigéria, Senegal e Estados Unidos e Espanha apresentaram transmissões localizadas. Juntos, foram contabilizados nestes países 21 pacientes com a doença e 8 mortes.

Transmitida por um vírus, a doença é fatal em cerca 65% dos casos. A infecção ocorre através do contato com sangue, fluidos corporais da pessoa infectada ou do animal doente, como macacos, capivaras e porcos-espinhos. Ao contrário de outras doenças, no entanto, a transmissão ocorre quando o paciente já apresenta os sintomas da infecção. Os principais são febre, fraqueza, dores abdominais, vômito e hemorragias. A incubação - período entre o contágio e a manifestação dos primeiros sintomas - pode variar entre 2 a 21 dias. Não há remédio específico para o ebola.

Em agosto, o Centro de Operações de Emergência em Saúde do Governo Federal acionou o nível dois de emergência, o penúltimo na escala de gravidade, que permite o deslocamento de equipes federais para regiões com suspeita da doença no País sem a necessidade de autorização dos governos locais.

Desde que a Organização Mundial de Saúde decretou emergência, o Brasil adotou um conjunto de medidas para prevenir a transmissão e permitir a rápida identificação de um caso suspeito da doença, com isolamento e tratamento.

O grupo Executivo Interministerial para Emergências em Saúde Pública foi convocado, videoconferências semanais com todos os Estados são realizadas, simulações foram feitas em hospitais de referência e em aeroportos. De acordo com o plano traçado, casos suspeitos devem ser encaminhados para hospitais de referência. Esses hospitais, no entanto, fazem apenas a primeira triagem. Casos confirmados, de acordo com a estratégia, devem ser enviados para dois hospitais: Instituto Nacional de Infectologia no Rio e Hospital Emílio Ribas, onde os pacientes ficam internados. O teste de diagnóstico para comprovação da infecção é feito no Instituto Evandro Chagas.



 O missionário de 47 anos chegou em uma ambulância do SAMU vindo da Base Aérea do Galeão  (Foto: Fábio Tito/G1)


Emidio Campos 

Gerente de Planejamento 
www.leoneservicos.com.br 
E mail - comercial@leoneservicos.com.br

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Limpeza pós obra


O serviço de limpeza pós-obra é fundamental após a construção ou reforma de um imóvel. Como o material de construção ocasiona muita sujeira e poeira, é preciso fazer a remoção sem danificar os revestimentos, como pisos e azulejos. Além disso, é preciso utilizar materiais específicos para cada tipo de limpeza e material. Rejuntes, pisos, azulejos, tacos e outros tipos de material requerem limpezas distintas para que não sejam danificados. Por isso, o ideal é que se contrate uma empresa especializada para este serviço.
Para a Leone Serviços a limpeza pos obra é sinônimo de cuidado com seu investimento. A Leone Serviços tem profissionais especializados, com capacitação para garantir que seu patrimônio, sendo higienizado e limpo com equipamentos e produtos adequados para cada ambiente. A Leone Serviços na questão da limpeza pós-obra oferecem serviços em limpeza predial ou comercial, residências, comércio, escritório, condomínios e apartamentos. Além disso, alguns dos serviços prestados são: limpeza e aspiração de todos os cômodos, limpeza e higienização dos banheiros e da cozinha (incluindo azulejos), limpeza de vidros internos e externos, aspiração dos caixilhos, limpeza externa e interna de armários, remoção de excessos de massa, tinta ou cimento nas superfícies da residência etc.

LEONE SERVIÇOS 10 ANOS DE ATIVIDADES


Emidio Campos
Gerente de Planejamento
www.leoneservicos.com.br
E mail - comercial@leoneservicos.com.br

Blog - Segurança do Condomínio


Procuro empresa que queira fazer e manter seu blog atualizações diárias, promovendo seus serviços e contribuindo com a segurança pública.

Elaboro análises de segurança.
Efetuo treinamentos.
Indico melhores empresas terceirizadas do Brasil.

Emidio Campos
Gestor de Segurança

Média diária de visitas 400
Média mensal de visitas 16.000
Número de publicações 2.500 postagens

Assunto Segurança

Sua empresa sendo vista por todos

segurancaprivadasp@gmail.com

E Mail do Consultor - segurancaprivadasp@gmail.com - Skype emidiocampos

SEGURANÇA EM EVENTOS FOTOS REAIS DE EVENTOS COM NOSSA SEGURANÇA

Policia Militar de São Paulo

Policia Militar de São Paulo
Apoio Leone Terceirizações

Doação de Orgãos

Faça a campanha em seu condominio
POR QUE DOAR?A carência de doadores de órgãos é ainda um grande obstáculo para a efetivação de transplantes no Brasil. Mesmo nos casos em que o órgão pode ser obtido de um doador vivo, a quantidade de transplantes é pequena diante da demanda de pacientes que esperam pela cirurgia. A falta de informação e o preconceito também acabam limitando o número de doações obtidas de pacientes com morte cerebral. Com a conscientização efetiva da população, o número de doações pode aumentar de forma significativa. Para muitos pacientes, o transplante de órgãos é a única forma de salvar suas vidas.Saiba mais no Site:http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/transplante-de-orgaos/doacao-de-orgaos.php
Divulgação Emidio Campos:. Consultor de Segurança

Evento Jovem Brasileiro

Evento Jovem Brasileiro
Gestor de Segurança Emidio campos

Veja como aumentar a segurança do seu condomínio